Venda de voto por gole de pinga

De há muito - e sobretudo depois da entrada em vigor do art.41-A - falo que o problema da corrupção eleitoral não é a ausência de instrumentos processuais para atacá-la; há-os, aos borbotões. Tampouco a solução para o impedimento à compra de votos seria a outorga de execução imediata às decisões que declarassem a existência de captação de sufrágio. O que se observa na prática eleitoral é que normalmente a maioria atua com essa prática para ganhar as eleições; a diferença estaria entre os que são e os que não são pegos.

A solução - sempre disse - está na adoção de mecanismos de investigação policial, sempre feita preventivamente, atacando na origem a prática das condutas ilícitas. Em Alagoas, a Polícia Federal começa a agir em parceria com o TRE/AL, buscando resultados na luta contra a corrupção eleitoral.

O superintendente da Polícia Federal em Alagoas, José Pinto de Luna, deu as seguintes declarações sobre compra de votos:

“Nós estamos investigando compra de votos em Alagoas e as denúncias estão chegando aos montes. Aqui em Alagoas se vende voto por gole de pinga. Impressionante isto”, colocou ainda o superintendente. Pinto de Luna frisou ainda que as ações da Polícia Federal não visam perseguir ninguém, mas sim fazer cumprir a lei. “Queremos garantir um pleito justo, para que as pessoas que queiram ocupar espaço para mudar a realidade de fato possam cumprir este papel, ao invés de outros que se elegem para roubar dinheiro público”, complementou.

Veja a matéria integral aqui.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tempo do registro, tempo do fato ilícito e tempo de vigência da lei

Ações eleitorais e tutela coletiva (I)

Unidade da chapa majoritária e unidade de destinos dos seus membros